10 de abr de 2012

Viníssimo

Aos 09 comecei a freqüentar a organização Embaixadores do Rei. Conheci algumas figuras que hoje são grandes amigos. Dentre elas, a quem escrevo este texto. Não diria que nesse tempo aprendi bastante, porque soaria como se eu tivesse bastante conhecimento, e eu ainda espero um dia ter. Mas o pouco que se aprende num lugar como aquele pode ser somado, e dessa forma, com certeza chegar a um bom resultado. No meu caso, eu somei com as reuniões de adolescentes da igreja, que hoje é denominada UniPibi, e na minha época era conhecida como apenas União. Somei também com o convívio com esse cara, a quem escrevo... Por sorte, ele sempre esteve presente na reunião dos Embaixadores quanto na reunião dos adolescentes.

Nessa terça feira, as 00:15h eu me despedi do Elvino. Ele está indo para Magé, e vai pastorear os jovens da Igreja Batista Central de Magé. E mesmo sabendo que essa despedida não foi um adeus, mesmo sabendo que não perderemos o contato, mesmo sabendo que essa mudança representa um progresso na vida de um grande amigo, e mesmo sabendo de todas essas coisas, eu me senti estranhamente incomodado. Abraços foram dados. Promessas de volta foram feitas. Um laço, já bem firmado, foi ainda mais reforçado. Mas o incômodo permaneceu. E por conta disso, se tornou válido. Afinal, eu não sou o tipo de pessoa que chora, e que mela. A emoção não me invade com facilidade. E talvez, quando eu percebo isso, eu começo a valorizar meus sentimentos. Pois eu sei que quando eles chegam, chegam com sinceridade, e não chegam por qualquer besteira.

Vou começar esse parágrafo pedindo desculpas pela dramaticidade. Eu não escrevo com este fim. Mas foi necessário fazer entender o quanto sou grato pela vida do Elvino. E só. A dramaticidade não teve outra função a não ser essa. Porque esse texto não está sendo escrito em função da ida do Elvino, mas sim da chegada! Não escrevo pela despedida, mas pelo reencontro.

Cara, não quero que se esqueça que durante todo esse tempo, você contribuiu bastante para a formação do meu caráter. Não quero que se esqueça que será meu eterno conselheiro e pastor. Vai com Deus, e seja um grande líder em Magé, assim como foi em Itaperuna. E se for comentar, apenas agradeça a homenagem.

Dois abraços apertados. Até logo.

Biografia: Elvino de Souza Pinheiro nasceu em 4 de janeiro de 1987, em Barra Mansa. É filho da tia Ana e do seu Elio e irmão do Ricardo. Em março de 87, veio para Itaperuna com a família. É cristão. Tem uma paixão por ônibus, e pelo Clube de Regatas Vasco da Gama! É um cara inteligente, já leu muitos livros. Conhece muito sobre a história do mundo, tanto a que aprendemos no colégio, quanto a que não aprendemos. Na verdade não é brasileiro, mas sim holandês. E também é revendedor de balas de tamarindo... No mais, sabe falar muito bem com as mãos.

Vale a pena conhecer!

Um comentário:

  1. Lindo Hítalo! Tirando que estou me derramando em lágrimas, mas tudo bem! Tudo excelente! Como diria nosso amigo Elvino! Mesmo porque isto para mim não é muito difícil, né? Mas, fiquei muito emocionada e ainda estou e também admirada com sua desenvoltura no texto! Digno de um Rios! Para não dizer que você puxou a sua tia mais linda e loira, que sou eu! rsrs
    Grande abraço,
    Helvia - também parte do Reino de Amigos.

    ResponderExcluir

Apontando ...